Fundição otimização de processos e de custos
industrial

Fundição: otimização de processos e de custos

Enquanto a fundição se consolida como um processo de produção versátil e duradouro, há muito o que dizer sobre as maneiras de trabalhar com esse tipo de procedimento.

Afinal de contas, sua aplicação se estende a todo tipo de peça — com a promessa de que ela possa ser liquefeita. Daí a importância em compreender como funciona a fundição, as suas vantagens e os pontos de atenção ao colocá-la em prática.

Algo, inclusive, que veremos ao longo deste post. Confira e aprenda conosco como a fundição pode ser considerada para a otimização de processos e de custos também!

O que é a fundição?

Como já havíamos antecipado, a fundição é usada para a confecção de peças simples e também as mais complexas a partir da contemplação inicial de um molde desse item desejado.

Dessa maneira, existem poucos elementos que limitem o uso do processo de fundição, como o peso da peça ou as suas dimensões. Basta o molde para que o material (em estado líquido) seja despejado no seu interior e adquira a forma desejada.

Fundição otimização de processos e de custos

Como funciona?

As etapas seguintes consistem em:

  • solidificar o elemento, já inserido no molde, para fixar o seu formato;
  • retirar a peça, no seu formato final, do molde;
  • aplicação do processo de acabamento — se cabível para a peça em questão.

Quer dizer, estamos falando de um processo rápido, eficiente e de grande versatilidade de aplicações — e nos mais diversos segmentos industriais e produtivos.

Fundição otimização de processos e de custos

Existem cuidados a serem tomados na fundição?

Embora seja um procedimento simples, no geral, a fundição desponta também com uma série de cuidados que devem ser tomados. Do contrário, alguns problemas de produção podem ser identificados. Casos de:

 

  • rebarba: são as protuberâncias que aparecem em decorrência de ocasionais folgas apresentadas ao longo da peça. Evitar o problema é simples, no entanto, bastando ter o pleno controle de todas as dimensões da peça — e por meio da vedação de eventuais folgas;
  • veiamento: mesmo caso anterior, mas em um formato diferente, de veios, e que costuma aparecer por conta da temperatura equivocada no aquecimento do molde ou em etapas posteriores, como a secagem ou o excesso de umidade na peça;
  • levantamento do molde: ocorre quando o molde se abre ainda no decorrer do processo de fundição. Para resolver o problema, um simples peso sobre o metal tende a resolver, para que o molde não seja empurrado — embora o ajuste no projeto do molde não deva ser descartado;
  • porosidade: quando o resultado final assume um aspecto poroso, pode-se considerar a quantidade usada do material em questão para o molde, mas o seu modo de preparação também deve ser considerado;
  • rechupe: por fim, a contração volumétrica, quando a peça já se encontra em estado sólido, causa esse problema na fundição. Existem produtos específicos que contornam a situação.

 

Pois então, ainda que seja um procedimento popular e simples, a fundição deve ser levada a sério pelos empreendedores para não gerar prejuízos e retrabalhos. O que nos leva à importância dos melhores produtos usados no procedimento.

Como qualificar ainda mais a fundição?

Na Homy Química, você conta com uma qualificada linha de desmoldantes, formulada com polímeros em base solvente ou aquosa. Isso gera uma enorme durabilidade às peças, além de resistência às altas temperaturas — e tudo sem perder o poder de desmoldagem.

Quer saber mais a respeito? Conheça as nossas soluções!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *