Plano Mestre de Produção no uso racional dos produtos e redução de perdas
Construção Civil, Indústria

Plano Mestre de Produção no uso racional dos produtos e redução de perdas

O Plano Mestre de Produção (PMP) – ou Planejamento, Programação e Controle da Produção (PPCP) é uma ferramenta que busca fazer um planejamento racional para orientar a produção e o controle na fábrica ou na obra.

Para que tenha sucesso, o Plano Mestre deve integrar as funções técnicas e administrativas, inter-relacionando as ações com o objetivo de trazer a melhor solução possível para o processo produtivo, que é multidisciplinar.

A principal função do Plano Mestre de Produção é formular os planos que organizem a alocação de recursos (materiais e humanos) de modo a otimizar seu uso.

Veja no post a seguir como o PMP contribui para o uso racional dos recursos, reduzindo perdas e melhorando a qualidade do produto final.

Plano Mestre de Produção no uso racional dos produtos e redução de perdas

Como é a função do Plano Mestre de Produção no empreendimento

O Plano Mestre de Produção de um empreendimento, às vezes chamado de Planejamento, Programação e Controle da Produção (PPCP) é uma combinação entre as funções técnicas e administrativas da empresa.

Sua função principal é criar os planos que orientarão a produção bem como as diretrizes que servirão de base para o controle da mesma. Portanto, a cooperação entre as várias áreas da empresa, sintetizada no PPCP, tem o objetivo de guiar o processo produtivo, coordenando-os junto com o restante da empresa.

É no PPCP que estarão discriminados claramente onde e o que será utilizado para produzir o produto final. O intuito dele, então, é oferecer um mapa que norteia as decisões de comando e controle da empresa.

Dentro do PPCP, a empresa consegue delinear claramente:

  • O que será produzido
  • Quanto será produzido
  • Onde será produzido
  • Quando será produzido

Ou seja, O Plano Mestre é capaz de trazer as especificações quanto ao uso e aplicação dos recursos materiais, financeiros e humanos da empresa, ao mesmo tempo em que traz os protocolos e ações recomendados para controlar as ações realizadas e corrigir equívocos.

Com isso, visa-se minimizar as perdas com paradas não programadas, acidentes de trabalho e outros imprevistos.

Outros nomes para o Plano Mestre de Produção são PCP (Planejamento e Controle da Produção), SIG (Sistema Integrado de Gestão), PPS (Sistema de Planejamento de Produção), TPS (Sistema de Produção Total), e outros.

De modo semelhante, o Plano Mestre ajuda a monitorar a demanda do mercado, ajustando a produção conforme o cenário econômico. Com isso, busca-se o uso racional dos recursos da empresa, diminuindo as perdas ao planejar o gasto de acordo com a realidade do momento.

Plano Mestre de Produção no uso racional dos produtos e redução de perdas
Wood working

Como um PMP reduz perdas

Quando é feito o planejamento e o controle da produção, a empresa adquire vantagem competitiva, pois é capaz de trazer maior eficiência e eficácia ao uso dos seus recursos.

Com isso, o desperdício é reduzido já que, além de reduzirem-se os níveis de estoques, há menor manuseio de materiais. Assim, diminui a chance de perdas por acidentes de trabalho ou excesso de material para a produção de um mesmo produto final.

Também, um melhor controle ajuda a diminuir a quantidade de falhas e de retrabalho, simultaneamente reduzindo as inspeções de controle de qualidade, já que o processo se torna mais confiável.

Ao elaborar o PMP, a empresa tem a chance de verificar se certos procedimentos ajudam ou atrapalham, podendo optar por eliminar protocolos improdutivos. Uma vez que o PMP requer a inter-relação entre os vário setores da empresa por ser um documento técnico-administrativo, o PMP ajuda a empresa a atuar de forma mais integrada.

Ao ter protocolos esclarecidos, também, a empresa consegue ter melhor resposta às mudanças mercadológicas, já que globalmente ela consegue ter clareza de onde pretende chegar e dos recursos de que dispõe para chegar em tal objetivo.

Diante disso, os índices de produtividade melhoram, assim como a lucratividade tende a melhorar, já que os recursos estão sendo melhor utilizados. Portanto, o PMP ou PCP é uma atividade de apoio à gerência, que assegura o uso eficiente dos recursos para a obtenção de produtos (bens e serviços) na quantidade certa, com qualidade, prazo e locais certos com o menor custo possível.

Além disso, o PCP ajuda a sequenciar corretamente a produção, o que melhora a eficiência do processo, tornando-o mais organizado.

Como criar um Plano Mestre de Produção

O Plano Mestre de Produção costuma ser elaborado depois do Plano Agregado, e pode ser interpretado como uma política oficial de capacidade produtiva da empresa.

O Plano Agregado tem duas etapas: o Plano de Produção, que é uma previsão de como a produção irá se comportar no que se refere a volumes e estoques com a finalidade de atender certa demanda, considerando-se as restrições operacionais.
A segunda etapa é a previsão do comportamento dos recursos humanos (mão de obra e regimes de trabalho) a serem utilizados pela companhia. Com essas informações, é possível criar o Plano Mestre da Produção.

Esse programa é o cálculo das necessidades de produtos finais. Ele deve ser capaz de indicar a quantidade de recursos e o tempo necessário para estarem finalizados. Para isso, utilizam-se os dados de demanda dos produtos disponibilizados pela empresa e o estoque disponível.

O PMP busca compatibilizar as necessidades de produção com as possibilidades da empresa, considerando-se essas limitações e estabelecendo prioridades. Para elaborar um PMP, a empresa deve pensar nas funções-chave desse plano, que são:

  • Capacidade de transferir os Planos Agregados para itens específicos.
  • Dimensionamento da capacidade de produção e operação da empresa;
  • Dimensionamento da quantidade de material necessário;
  • SImplificação no processamento dos dados e informações;
  • Avaliação de planejamentos alternativos;
  • Reavaliação periódica das prioridades;
  • Uso eficiente dos recursos.

O PMP deverá ser sintetizado na Programação da Produção, que deve conter os seguintes pontos:

  1. Gerenciamento de estoque: planejamento e controle por meio da definição dos tamanhos, quantidades, formas de reposição e logística interna e externa;
  2. Sequenciamento da produção;
  3. Emissão e liberação de protocolos, implementando efetivamente a produção e criando a documentação necessária.

Assim, a criação do PMP ou PCP permite o planejamento das atividades da empresa bem como o uso racional de seus recursos. Com isso, é possível acompanhar a execução do que foi proposto, tomando-se providências para sua correção se for o caso.  

Quer saber mais? Leia em nosso blog como fazer o alinhamento com a previsão de venda no setor industrial utilizando o Plano Mestre de Produção. Agradecemos sua visita!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *